quarta-feira, 27 de maio de 2009

Represa de Guarapiranga 360° – Tempo Wind Clube, São Paulo

Hoje, quando se fala em Windsurf não há quem não conheça o Tempo Wind Clube, situado às margens da represa de Guarapiranga. Local tranquilo, onde se pode estar longe (e ao mesmo tempo perto) da “maluquice” de São Paulo, e desfrutar um agradável dia. E claro, para quem curte vela, windsurf, kitesurf ou wakeboard, é um local com toda a infra necessária.

leandro - wind

Clique no link abaixo para visualizar o panorama (áudio disponível).
http://www.gugasiqueira.com/360/Guarapiranga_360.html

Fonte: http://www.gugasiqueira.com/360/Guarapiranga_360.html
Foto: Fernanda D’Addezio

terça-feira, 26 de maio de 2009

Abraço Guarapiranga 2009 vai acontecer no dia 7 de junho

O Abraço Guarapiranga 2009 vai acontecer no dia 7 de junho, encerrando a Semana do Meio Ambiente. É uma oportunidade para exercer nossa cidadania em benefício do manancial que abastece quase quatro milhões de pessoas em São Paulo. Da mesma forma que em anos anteriores, o Abraço Guarapiranga 2009 é aberto a todos e pretende reunir os moradores da região e consumidores de água como forma de expressar o carinho com a centenária represa, protestar pela situação de degradação em que se encontra e pressionar por mudanças que garantam a preservação das fontes de água.

Em sua quarta edição, o Abraço Guarapiranga vai reunir a população em torno da represa para aumentar a pressão por investimentos em ações de recuperação e preservação do manancial e analisar o que o poder público vem fazendo. Diversas atividades estão previstas além do abraço simbólico. Confira e participe!

abraço
Abraço simbólico na Barragem, 2008.

A Represa de Guarapiranga abastece 3,8 milhões de pessoas na Grande São Paulo. Apesar da importância para o abastecimento público, sua situação é preocupante pois é o mais ameaçado entre os mananciais que fornecem água para a maior metrópole do País. Sua bacia hidrográfica está ocupada de forma desordenada e apresenta em muitas áreas alta densidade populacional.

A população que vive ao redor da represa é estimada em 800 mil pessoas, e apenas metade dela conta com algum sistema de coleta de esgotos. Além disso, a maioria do esgoto coletado continua sendo despejado na represa, fazendo com que a qualidade das águas dos rios e a da própria represa piorem ano a ano. A Guarapiranga sofre ainda com o assoreamento de suas margens, diminuição do espelho d'água, desmatamento e uso intensivo do solo, ademais dos impactos gerados pela construção do Trecho Sul do Rodoanel.

A reversão do quadro de degradação da represa, portanto, não é uma tarefa de fácil ou rápida solução. Para tanto, é necessário o envolvimento permanente de diferentes segmentos do governo e da sociedade em ações integradas e efetivas, que valorizem e protejam a produção de água para abastecimento público. Neste processo, cada setor da sociedade tem sua respectiva parcela de responsabilidade. O papel do cidadão, consumidor de água, passa por usar o recurso de forma racional e pressionar o poder público para que assuma responsabilidades e invista em ações de recuperação e proteção do manancial. Exerça sua cidadania e participe.

Este ano, o abraço acontecerá em três pontos diferentes, como no ano passado. Veja abaixo:

:: Parque Ecológico da Guarapiranga
Estrada do Riviera, 3 286
10h – Concentração - Jardim Ângela
11h - Missa na Igreja dos Santos Mártires, Rua Luís Baldinato, 9
12h – Abraço às margens da represa no Parque Ecológico
:: Solo Sagrado
Estrada do Jaceguai, 6 567 - Parelheiros
10h – Concentração
Plantio de árvores
Feira de boas práticas
Dança
12h – Abraço simbólico às margens da represa
:: Barragem
Av. Robert Kennedy, altura do nº 1 170, em frente ao 102º DP
10h – Início das atividades
12h – Abraço
Diversas atividades culturais e recreativas

abraço2
Cultura no abraço Guarapiranga 2008.

Como chegar e demais informações de cada um dos pontos do abraço estão disponíveis em www. mananciais.org.br
Domingo, dia 7de junho
O abraço acontece às 12hs. Participe!

Fonte: Isa
Fotos: Fernanda D’Addezio

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Início do Campeonato Paulista de Wakeboard agita a Guarapa

São Paulo, maio de 2009 – Com um final de semana de muito sol e grande público presente, a 1ª etapa do Circuito Paulista de Wake 2009 teve início no Clube de Campo São Paulo, na Represa Guarapiranga. Uma semana após o mundial, atletas de todo o Brasil mostraram alto nível de manobras nas águas da Guarapiranga. No total 70 atletas competiram em 08 categorias: Mirim, Iniciante, Feminino Amador, Intermediário, Avançado, Open, Feminino Open e Profissional.

P1050995

Pódio da primeira etapa do Circuito paulista 2009 - Categoria Pro: venceu o atual campeão paulista e brasileiro, Luciano Rondi Neto, o Deco, em segundo ficou Marcelo Giardi, o Marreco e em terceiro Mario Manzolli. O atleta de apenas 16 anos e que fez sua estreia na categoria Profissional, Gustavo Machado, ficou com a quarta colocação.

Na Categoria Open, Matheus Schmidt ficou em primeiro, seguido por Marcelo Coutinho e Guilherme Sandoli. Na Avançado, o melhor foi Glaiderson Eder da Silva, segundo Leandro Pereira e André Neves em terceiro.

Guilherme Zetune faturou a primeira colocação na Categoria Intermediários, seguido de Luiz Ricardo Lazarini e Pedro Eduardo Porto Rosas.

A Categoria Mirim que revela o futuro do esporte, reuniu seis novos competidores, o primeiro colocado foi Victor Cadette Cordeiro, em segundo Yago Luiz Lazarini e em terceiro Luiz Augusto Kratz Queiroz.

Já na Iniciantes, Lucas Guimarães ficou em primeiro, Rodrigo Stroisch em segundo e Rafael Gonçalves Mendes em terceiro.

wakeb
Atletas Competidores

As mulheres marcaram presença em duas categorias no evento. Na categoria Feminino Open, venceu Camila Ortenblad, seguida de Andressa Videira e em terceiro Joana Marques.

Na Feminino Amador, Fernanda Martins ficou com a primeira colocação, em segundo Vanessa Jordão e em terceiro Flavia Pichler.

O atleta e organizador do evento, Mário Manzolli, ficou bastante satisfeito com a etapa de abertura do Circuito. “O evento foi muito bom, pois os atletas estão muito motivados a treinar e competir já que o mundial mostrou o nosso potencial para o esporte. Além disso, receber os representantes do esporte da Prefeitura de São Paulo foi de extrema importância”, afirmou.

wake1 Skatista, ator e apresentador, Taroba e o DJ marcaram presença no evento.

O evento ainda contou com a importante presença da equipe da Prefeitura de São Paulo como o Secretário Municipal de Esportes da Cidade de São Paulo, Walter Feldman, o Coordenador de Esportes Radicais da Secretaria de Esportes do Município de São Paulo Thiago Lobo e Flávio Jordão, presidente da Liga de Esportes Radicais. Eles falaram da importância de esportes como o wakeboard na Represa, “a Guarapiranga é a praia dos paulistanos, é um local ideal para lazer, esporte e diversão. A represa é um dos cartões postais da nossa cidade, mas muitos paulistanos nunca visitaram o local”, declarou Feldman.

wake2 Patrocinadores

A primeira etapa do Circuito Paulista de Wakeboard teve como patrocinadores a Suzuki, Oakley, Wake na Veia e apoio da Revista Wake Brasil, Nob Multisports, Ativo.com, oradical.com.br, Masterboat e MWS.

A próxima etapa do Circuito Paulista de Wake acontecerá em setembro, no Naga Cable Park em Jaguariúna, primeiro Cable Park construído na América Latina.

video
Tootsie Roll + Mortal de lado com 360° + Slider + Back Lip

Fonte: http://www.wakebrasil.com

Fotografia e Vídeo: Fernanda D’Addezio e André

O adensamento das favelas

O aumento da população das favelas foi de 4% no ano passado, duas vezes superior ao crescimento vegetativo da população da cidade no período, conforme dados da Secretaria Municipal da Habitação.

A dificuldade da Prefeitura de acompanhar o crescimento das favelas até nas áreas mais nobres de São Paulo leva a duvidar muito da sua capacidade de frear a disseminação dos barracos em áreas de grande impacto ambiental, como as vizinhanças de mananciais, fundos de vales inundáveis, margens de córregos e encostas. Na bacia da Represa de Guarapiranga, estima-se em 200 mil o número de domicílios instalados - 40 mil despejando esgoto diretamente nas águas do manancial responsável pelo abastecimento de 4 milhões de moradores da região metropolitana de São Paulo. São áreas sem atrativo para as imobiliárias ou onde elas estão proibidas, por lei, de construir, e, por isso, sobram para as ocupações clandestinas.

Essas regiões acabam recebendo investimentos públicos nos processos de urbanização de favelas. O governo municipal anunciou, no ano passado, que R$ 1,7 bilhão seria aplicado no Programa de Urbanização de Favelas, no prazo de três anos. Desse total, R$ 842 milhões são do Programa de Aceleração do Crescimento; R$ 482 milhões, dos cofres municipais; e o restante, do Banco Interamericano de Desenvolvimento, Companhia de Desenvolvimento Habitacional Urbano do Estado de São Paulo e da Sabesp. Mas será um esforço perdido, caso não se evitem novas ocupações. E é o que tem acontecido ao longo dos anos. Na década de 80, 1,89% da população brasileira morava em favelas. Em 1991, já eram 3,28%, o que revela crescimento de 70% em uma década, segundo o Censo do IBGE.

O financiamento habitacional bancário é para poucos. O investimento público em moradias é tímido e beneficia, no máximo, 5% da população. Quem consegue pagar aluguel se mantém nos bairros formais. Porém, estima-se que 50% da população do Município de São Paulo não dispõe de renda familiar suficiente para obter financiamento para moradia. Resta-lhes morar na favela, nos loteamentos clandestinos ou nos cortiços, opções que alimentam a desorganização urbana e a insegurança da população.


Fonte: Estadão

Depósito de carros em área de preservação ambiental é interditado

A cidade que tem a maior frota do Brasil não sabe mais onde guardar carros apreendidos. Os pátios estão lotados em São Paulo e o maior deles foi interditado por estar em uma área de preservação ambiental.

Vinte e cinco mil carros apreendidos estão empilhados no depósito que fica à beira da Represa de Guarapiranga, de onde sai a água que abastece quase 4 milhões de pessoas na cidade. O pátio funcionou durante seis anos. Só nos últimos três meses é que deixou de receber carros, depois da interdição pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente.

“É preciso saber se houve contaminação desse solo. Há indícios de que isso possa ter acontecido por vazamento de óleo e de outras substâncias”, diz a promotora Cláudia Fedeli. Mauro Scheer Luís, advogado do estacionamento, contesta: “não tem crime ambiental. Tudo isso, inclusive os carros, recebe um tratamento antes de entrar no pátio”, disse.

A discussão sobre o depósito à beira da represa levantou outra questão: o que fazer com os carros apreendidos? A cidade tem 14 pátios como o que foi interditado, todos particulares.

Os carros que eles abrigam foram encaminhados pela Polícia Civil que, por falta de garagens públicas, transferiu a responsabilidade para terceiros. Pela guarda, o dono do pátio ganha uma taxa de permanência, quando o carro é liberado. Mas não existem convênios, nem contratos entre os depósitos e o estado.

No caso do pátio da Guarapiranga, o funcionamento foi autorizado por portarias. Em uma delas, de 2003, o delegado argumenta que há acúmulo de veículos apreendidos, falta espaço na delegacia, falta segurança para impedir o furto de peças e é impossível de ter um pátio próprio. O uso do estacionamento particular seria em caráter excepcional e provisório.

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) se comprometeu com o Ministério Público: para tirar os carros da área da represa, vai fazer leilões. Mas, antes, precisa saber o básico: quantos carros estão apreendidos em São Paulo, quais foram as circunstâncias da apreensão e quantos podem realmente ser vendidos. Estima-se que todo esse processo levará um ano até o primeiro leilão. Noventa dias serão necessários para fazer o levantamento.

A Secretaria da Segurança Pública de São Paulo informou em nota que está em estudo a criação de dois pátios, que funcionariam em convênio com a prefeitura. A Secretaria Estadual do Meio Ambiente não informou se o terreno onde fica o pátio está ou não contaminado.

Fonte: G1 - São Paulo

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Feriado de Corpus Christi: velejar na Cidade de São Paulo

Praticar esportes náuticos, windsurf ou aprender a velejar num final de semana prolongado, na Represa Guarapiranga, a 45 minutos do centro de São Paulo, é a opção para o Feriado de Corpus Christi.
A região desde 2008, recebe atenção especial da Subprefeitura com ações de recuperação e proteção do manancial, além de melhoramentos como a construção de ciclovias e maior fiscalização com relação ao Meio Ambiente no entorno na Represa Guarapiranga.
A Pêra Náutica, um centro de vela esportiva, localizada às margens da Represa, oferece serviços de locação de embarcações de vários modelos, com equipamentos de segurança incluso e assistência para montagem e colocação dos barcos na água. Conta também com ampla área de lazer, bar&café, estacionamento, sala de aula, vestiários, loja de equipamentos, guardaria para veleiros e windsurf. Aproveitando os bons ventos do final de outono, o Centro de Vela Esportiva Pêra Náutica vai realizar, neste feriado de Corpus Christi o Curso Básico Intensivo de Veleiro ou Windsurf com preços promocionais.
Programação: No Curso Básico Intensivo de Veleiro ou Windsurf, o velejador aprende a nomenclatura dos equipamentos, montagem, exercício de equilíbrio, posição fundamental, sair e chegar, orçar e arribar, as manobras bordo e jibe e os 8 nós mais usados pelos navegadores. As aulas são práticas e ministradas em grupo, porém cada aluno recebe instrução individualizada.
Infraestrutura: instrutor, colete salva-vidas e bote inflável para acompanhar os alunos na água, certificando que o aluno sempre esteja se divertindo, e aprendendo com segurança. Os equipamentos disponíveis para as aulas são: Optimist, Holder, Laser, Dingue, pranchas de windsurf e caiaques.
Duração: 12 horas, dividida em 4 aulas de 3 horas cada. As duas primeiras no período da manhã, das 10h às 13h e as duas seguintes à tarde das 14h às 17h. Inscrições com o atendimento da Pêra Náutica pelo telefone: (11) 55243553 ou por e-mail: atendimento@peranautica.com.br , das 9h às 18h.
Fonte: Portal Fator Brasil

GUARAPIRANGA - Palco de transformações sociais

Como fazer para despertar nossos jovens para conquistas, não só nos esportes mas também na educação, na saúde e no meio ambiente? Simples...através do próprio esporte, e acreditem, este projeto já está em prática através da Secretaria Municipal de Esportes, pelas mãos do seu Secretário, o médico Walter Feldman.
Neste programa estão contemplados esportes náuticos como remo e canoagem, que são oferecidos gratuitamente para crianças e jovens de 9 a 16 anos no projeto denominado Clube Escola, porporcionando a muitos um contato com a natureza que antes não era possível. E o local escolhido para essas práticas foi a Represa de Guarapiranga.
Nos últimos 30 anos, esse grande patrimônio líquido foi tratado com total descaso e abandono pelo poder público, que permitiu invasões em áreas de mananciais, corte maciço de árvores e a poluição das águas que chegam as nossas represas. Felizmente, agora estão em andamento projetos que podem, finalmente, reverter pelo menos em parte o que foi destruído e proteger o pouco que restou. Ao todo são 7 parques na orla, que vão preservar a área do entorno, trazer de volta verde que oxigena nosso ar, os animais que ali viviam e a possibilidade de contato do cidadão paulistano com este espaço.
Aliar este espaço saudável e bonito à práticas esportivas é proporcionar qualidade de vida aos nossos jovens , sem esquecer da educação. Segundo Feldman, "as crianças da região atualmente têm a possibilidade de praticar modalidades náuticas gratuitamente com o Clube Escola de Esportes Náuticos, instalado no Clube ADC Eletropaulo e com o Clube Escola instalado no CDC Iatismo. Nossa proposta é estimular os jovens que estudam nas escolas da área ao redor da represa Guarapiranga a entrar em contato com a canoagem, o remo, enfim, ao ambiente náutico. Para isso é feito também um controle do desempenho escolar desses jovens: só aqueles que frequentam assiduamente as salas de aula ganham a oportunidade de participar dos treinamentos dessas modalidades. Trata-se de um estímulo integrado ao esporte e à educação."
A represa pode ser palco de muitas atividades, como já foi no passado, e de outras tantas novidades não tão conhecidas do público. No último dia 22 de março em comemoração ao dia da água, aconteceu a 2° Travessia Aquática da Guarapiranga, uma prova de 1500 metros a nado. Mais de 500 atletas se inscreveram para o evento, que contou com a presença de autoridades.
"Nos últimos dois anos, posso assegurar que a Represa Guarapiranga vem sendo um dos palcos mais bem utilizados pela nossa equipe. Nesse período, tivemos a realização de duas edições da Virada Esportiva, sendo que ambas, foram promovidas ações que levaram os paulistanos a praticar atividades esportivas na Represa, como o iatismo, o remo, o jet-ski e até mesmo esportes de areia, como futebol e vôlei." - garante Feldman.
Bons ares finalmente circulam sobre a Guarapiranga: "Felizes são aqueles que têm consciência e a preocupação de preservar e lutar para massificar o ideal da Preservação do Meio Ambiente. Sabemos que esta é uma questão de importância central nos dias de hoje e que será a primeira prioridade em pouquíssimo tempo para todos os países."
O Secretário de Esportes se compromete a lutar permanentemente por esses ideais e pelas ações práticas que auxiliem na preservação da nossa cidade.
Fonte: Revista Viverde

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Ecologicamente Correto: Primeiro Cable Park da América Latina é inaugurado em Jaguariúna

O empresário Pedro Paulo Caldas está revolucionando a prática de esportes aquáticos que utilizam esqui. Seguindo os modelos dos parques para a prática do Esqui Aquático e do Wakeboard da Europa, Canadá e Estados Unidos, ele inaugura em Jaguariúna (interior de São Paulo), o primeiro Cable Park da América Latina. Já são 240 parques como esse em 30 países. Será inaugurado dia 21 de maio, quinta-feira e aberto ao público dia 30 do mesmo mês.
O Cable Park permite a prática desses esportes por meio da substituição das lanchas por um sistema de torres e cabos suspensos, movidos por um motor elétrico, oque o torna ecologicamente correto (menos poluente) já que não usa combustíveis além de não haver poluição sonora.

Definido o calendário do Campeonato Paulista de Wakeboard 2009

Considerado o maior circuito reginonal do Brasil, o Campeonato Paulista de Wakeboard terá 3 etapas em 2009. A primeira será realizada nos dias 23 e 24 de maio no Clube de Campo de São Paulo na Guarapiranga, a segunda etapa, entre os dias 18 e 20 de setembro no Naga Cable Park em Jaguariúna e a terceira e última entre os dias 27 e 29 de novembro em Araraquara, que também será válida como a etapa final do Campeonato Brasileiro.
Fonte: EsporteSite